Santa Catarina tem 111 cidades infestadas pelo Aedes aegypti e 11 casos de dengue em 2020

Balanço da Dive aponta também para casos de zika e chikungunya em investigação


Por Catanduvas Online

23/01/2020 16:18



img


(Foto: Salmo Duarte / Arquivo NSC)

 

As primeiras semanas de janeiro de 2020 já registraram um aumento de 46% nos focos do mosquito Aedes aegypti em Santa Catarina quando comparadas ao mesmo período do ano passado. Segundo balanço divulgado pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive-SC) nesta quinta-feira (23), 111 cidades catarinenses estão infestadas pelo mosquito. Já foram localizados no Estado 2052 focos do Aedes entre os dias 29 de dezembro de 2019 e 18 de janeiro de 2020.

 

Principal doença transmitida pelo Aedes aegypti, a dengue já atingiu 11 pessoas em Santa Catarina este ano, sendo que 78 casos estão em investigação e aguardam resultado. Os casos confirmados são considerados importados (a pessoa contraiu a doença fora de SC) e envolvem moradores das seguintes cidades: Balneário Piçarras, Florianópolis, Guaramirim, Jaraguá do Sul, Pomerode, São João Batista e Saudades. A suspeita da Dive é de que a doença foi contraída em cidades do Paraná, São Paulo, Bahia e Mato Grosso.

 

De acordo com o Site NSC, Sobre a febre de chikungunya, a Dive aponta que 15 casos foram notificados mas nenhum foi confirmado até o momento. Exames descartaram seis e outros nove aguardam resultado. Já sobre o zika vírus, três casos foram notificados e permanecem como suspeitos esperando exames.

 

Como evitar a proliferação do Aedes aegypti

- Evite usar pratos nos vasos de plantas. Se usá-los, coloque areia até a borda;

- Guarde garrafas com o gargalo virado para baixo;

- Mantenha lixeiras tampadas;

- Deixe os depósitos d’água sempre vedados, sem qualquer abertura, principalmente as caixas d’água;

- Plantas como bromélias devem ser evitadas, pois acumulam água;

- Trate a água da piscina com cloro e limpe-a uma vez por semana;

- Mantenha ralos fechados e desentupidos;

- Lave com escova os potes de comida e de água dos animais no mínimo uma vez por semana;

- Retire a água acumulada em lajes;

- Dê descarga, no mínimo uma vez por semana, em banheiros pouco usados;

- Mantenha fechada a tampa do vaso sanitário;

- Evite acumular entulho, pois ele pode se tornar local de foco do mosquito da dengue;

- Denuncie a existência de possíveis focos de Aedes aegypti para a Secretaria Municipal de Saúde;

- Caso apresente sintomas de dengue, chikungunya ou zika vírus, procure uma unidade de saúde para o atendimento.