Mãe cria página para incentivar doação de medula

Grupo foi criado há quase cinco anos e hoje ela passa pela mesma experiência com a própria filha


Por Catanduvas Online

01/10/2019 16:07



img


Pensando em ajudar o próximo, a ponteserradense Marivane Dave criou uma página em uma rede social para incentivar a doação de medula óssea. O grupo, que hoje conta com mais de mil seguidores, é chamado de Projeto Paradinha da Conscientização.

 

Ele foi criado por Mari há quase cinco anos. Na época, ela se sensibilizou e queria ajudar de alguma forma o filho de uma amiga que havia sido diagnosticado com leucemia e precisava de doação de medula óssea.

 

Foram vários eventos de conscientização dentro e fora do município de Ponte Serrada, conseguindo alcançar mais de 100 inscritos como doadores de medula na época.

 

Além da amiga, Mari conheceu outras mães que também estavam passando pelo mesmo problema. “Foi uma maneira de compartilhar informações sobre como doar e como se tornar um doador”, explica, todo mundo quer ajudar, mais o que falta as vezes é a informação.

 

Na página, há diversas fotos de doações de sangue e cadastros de medula ao longo desse tempo, e no momento uma nova campanha está se formando em Ponte Serrada, Marivane conseguiu uma lista com 50 nomes iniciais– homens e mulheres – pra realizar o cadastro de possíveis doadores de medula óssea, se você estiver interessado entre em contato com a página do projeto pra tirar mais duvidas.

 

"É bom saber que ainda existem pessoas que gostam de ajudar, mas se houvesse um incentivo maior, com mais informações sobre o assunto, com certeza mais pessoas iriam se cadastrar.

 

Doença na família

 

Há aproximadamente quatro meses, Mari teve uma triste notícia. Ela, que antes ajudou tantas pessoas no projeto, agora estava passando pela mesma experiência dentro de sua família.

 

Sua filha Laura, de 13 anos, foi diagnosticada com leucemia mielóide aguda no dia 7 de junho deste ano, e está recebendo o tratamento no Hospital da criança em Chapecó. A partir daí, Mari passou a acompanhar sua filha nas internações e sessões de quimioterapias.

 

“Eu sabia que não seria fácil, mais Deus sempre nos fortaleceu,e fé nunca nos faltou,eu sempre fiz exames de rotina na Laura todo ano, e dessa vez ela estava com alguns sintomas de fraqueza, falta de apetite, dores no corpo, e no exame deu alterações”, relembra.

 

A mãe conta que a primeira internação foi de 43 dias após a confirmação do diagnóstico depois disso, Mari diz que várias internações seguidas aconteceram,foram várias sessões de quimioterapias, e também muitas para transfusão de plaquetas e de sangue.

 

“Por isso a importância de se tornar um doador, de sangue e plaquetas também. No tratamento são fundamentais as transfusões”, explica.

 

Além de todas essas internações, Laura passará nos próximos dias por uma consulta para um possível transplante de medula óssea que já está agendado para os próximos dias.

 

Segundo a mãe da jovem, Laura ainda tem mais uma quimioterapia internada, e depois entra em manutenção, onde fará o uso de comprimidos e injeções nesse período.

 

“A batalha tem sido difícil, mas estamos felizes, pois o tratamento está dando resultado. Agora só ter fé e aguardar, pra que se precisar de transplante, que o doador já esteja cadastrado".

 

Laura de 13 anos foi diagnosticada com leucemia há três meses (Foto: Arquivo pessoal)

 

Fonte/Oeste Mais