Família de Xanxerê tenta salvar bebê de 6 meses que tem doença grave


Por Catanduvas Online

01/08/2019 17:08



img


A família de um bebê de seis meses tenta salvar a vida da criança que tem um problema cardíaco grave. Há pelo menos cinco meses os pais buscam por uma cirurgia em Santa Catarina. 



Camily nasceu com a doença no coração. Em função disso, já teve pneumonia, duas paradas cardíacas, três infecções, paralisia nos rins, colapso parcial dos pulmões em apenas cinco meses. 

 

"Ela já é conhecida como a guerreira, porque ela sempre lutou, ela chegou aqui entre a vida e a morte", conta a mãe Vanessa Teles Ofrásio. 


Desde os 15 dias de vida, Camily consultava toda a semana o cardiologista. A viagem era de casa, em Xanxerê, até o consultório em Chapecó. 



A família descobriu que Camily tem o coração fraquinho, que faz muita força para ela respirar. É tanta força que ela não ganha peso e precisa ser operada. 

 

"Ela precisa cirurgia para ganhar peso e para respirar né, é o que ela mais precisa pra ter a vida dela normal, pra ir pra casa." 


Até a internação no Hospital Infantil Joana de Gusmão teve muita estrada para essa menininha que tem síndrome de down. A bebê nasceu em Xanxerê, consultou em Chapecó, foi transferida para Florianópolis e, agora, tem que fazer a cirurgia em Joinville. 



A espera 



As coisas começaram a piorar quando a Camily teve uma pneumonia. Ela não conseguia mais respirar direito, conta a mãe Vanessa.

 

"Ela não consegue respirar sem a ventilação. Ela só consegue respirar por aparelhos." 


Foi aí que a mãe e a filha fizeram uma viagem bem maior: de Xanxerê, rodaram mais de 500 km até Florianópolis, no Litoral. Somente na capital havia leito de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) que a Camily precisava. Só que por outro lado, o hospital não faz a cirurgia necessária. 



Elas entraram na fila da cirurgia e começaram a esperar. Há 39 dias a Vanessa adotou uma rotina nova: dorme numa casa de apoio, caminha todas as manhãs para o hospital, onde acompanha a filha e faz a maior parte das refeições. 



Deixou o emprego e conta com a ajuda do marido e da mãe para cuidar dos outros dois filhos, que estão em Xanxerê. Nada disso vai mudar enquanto a cirurgia não acontecer. Para isto, elas vão ter que ir ainda mais longe: da capital, para Joinville. Mais 180 km até o Hospital Infantil Jeser Amarante Faria, que faz a cirurgia. 

 

"A última notícia é que segunda-feira (5) tá pra sair uma vaga em Joinville e essa vaga é pra Camily". 


Até lá, se a previsão se confirmar, Vanessa tem que rezar para Camily não ter outra infecção, porque ela tem que estar saudável na transferência. Para quem chegou até aqui, não falta esperança. E revolta por ter que andar mais de 700 Km, do Oeste, ao Leste, ao Norte para salvar a vida da filha.

 

"É angustiante, a gente chora, a gente pede força pra deus pra continuar na luta porque quem precisa é ela, mas é angustiante." 


Secretaria da Saúde 

A secretaria estadual da Saúde em nota informou que a Camily está recebendo todo o atendimento médico necessário. E disse que a transferência dela para o hospital de Joinville está sendo providenciada, mas não informou quando isso irá acontecer.

 

Fonte: G1 Santa Catarina