Primeira ação de voluntários para melhorias na Escola acontece neste sábado


Por Catanduvas Online

17/08/2018 21:19



img


A Escola Irmã Wienfrida já passou por várias modificações; de estrutura e de lugar, já esteve verde, branca e vermelha, já teve primário e parquinho, laboratório de ciências e de informática, já foi bonita e harmônica, mas a sua infraestrutura foi se deteriorando pelo tempo e pelo grande número de pessoas que por ela passaram e, passam diariamente. É desejo da comunidade escolar há alguns anos a ampliação e a reforma, é necessário também investimentos na acessibilidade, para dar igualdade de condições a todos os alunos que precisam estudar.


Algumas pessoas da comunidade escolar foram entrevistadas pelos alunos do 9º ano 2 e expuseram suas opiniões a respeito da estrutura física da unidade escolar. Segundo o professor de Língua Portuguesa e Inglês, Giovani Cavalheiro “a escola possui um amplo espaço, porém, não há um ambiente adequado para reuniões, pois falta um auditório; não há um espaço para os professores cumprir suas horas-atividades; e deveriam ser instalados ares-condicionados em todas as salas de aula”.

 



A ex-aluna e ex-professora Claire Regina Haro Zuqui diz que a escola precisa com urgência de mais salas de aula e a reforma da quadra de esportes. Matias Adriano, aluno do terceirão/matutino, que está na escola há sete anos, falou “a reforma é necessária sim, mas não depende dos gestores da escola, pois em se tratando de uma escola estadual depende do governo do estado. A reforma completa, dificilmente vai acontecer, por isso acho muito legal a ação dos gestores em estar tentando reformá-la e melhorá-la, é admirável”.



O aluno Gabriel Cenci, do 9º ano 02, ressalta alguns pontos “seria importante ter uma quadra poliesportiva nova, escadas com corrimões, mais salas, lousas novas, que todas as salas tivessem ar-condicionado e uma área de alimentação maior”.

 



A aluna Paola Pelentir, que estuda na mesma turma de Gabriel, comenta “sobre o local onde é servido o lanche, deveria ter um refeitório para que os alunos pudessem se acomodar melhor, banheiros com espelhos e portas, uma biblioteca maior e com mais livros, laboratório de informática e laboratório de ciências, para que os professores tivessem mais possibilidades para suas aulas”.



Gustavo Trevisan e Gabriel Reato, alunos do sétimo ano/matutino que estão na escola há um ano e meio, disseram: “algumas salas precisam melhorias urgentes, como por exemplo, janelas que não fecham, rachaduras nas paredes, alguns buracos se abrindo no chão, acreditamos a escola precisa ser reformada, mas não podemos nos dar ao luxo de fazer isso. Será que devemos fazer reformas com o dinheiro arrecadado com ações entre amigos, pasteladas e festas juninas?”

 



O diretor da Escola, Marcelo Augusto de Conto explica “a escola não está adequada para a quantidade de alunos que nela estudam, mas alguns investimentos já foram feitos: aquisição de computadores, projetores, caixas de som, ares-condicionados, materiais imobiliários, portões eletrônicos, toldos no pátio da escola, câmeras de segurança. Pequenos reparos também aconteceram na estrutura física da escola através de parcerias com a iniciativa Pública e Privada, de projetos e recursos da APP”. O diretor salienta, no entanto, “dentre as dificuldades enfrentadas diariamente, um dos principais problemas do educandário e o mais urgente a ser resolvido era em relação à precariedade dos sanitários masculino e feminino e que neste ano finalmente a obra foi iniciada e está em fase de conclusão”.

 


Visando estimular a autonomia e o protagonismo na comunidade escolar, a direção juntamente com professores e alunos e em parceria com o Clube de Mães, Rotary, Interact, FALB (Fundação Aury Luiz Bodanese) e Aurora Alimentos elaborou o “Projeto: Conhecimento, beleza e saúde”, que tem por objetivo transformar espaços existentes na Escola que não estão sendo ocupados, em um local agradável e acolhedor à comunidade escolar com técnicas de jardinagem, bem como melhorar a fachada externa da escola, através de pintura com tintas que foram doadas pela Aurora Alimentos. Essa etapa do projeto prevê a participação da comunidade escolar através de ações de voluntariado com pais e alunos e funcionários da Aurora Alimentos (unidade de Joaçaba). Outra ação a ser desenvolvida nos próximos dias será a pintura interna, do ginásio de esportes e dos muros com recursos obtidos junto ao MPSC/Comarca de Catanduvas, através de projeto enviado à instituição.

 



Todos os alunos e os profissionais da escola desejam um novo ambiente, uma nova Irmã Wienfrida, uma escola com mais possibilidades e mais igualdade para os alunos. Que forme cidadãos críticos, conscientes e participativos, capazes de interagir e intervir na realidade e que possam ser os “mensageiros da paz” tal qual o significado de seu nome.



Sendo assim, a comunidade escolar está convidada para participar da primeira etapa da ação de voluntariado que acontecerá no próximo sábado dia 18/08 a partir das 08h00min horas quando serão iniciados os trabalhos.



Reportagem produzida pelos alunos:Ana Rita Luvison Di Domenico, Gabriel Cenci,Gabriel Rizzatti,Letícia Padilha,Maria Luiza da Silva,Nalanda Damin,Paola Pelentir Guerini,Valéria De Lucca.