Ciclone intenso e incomum que avança para SC traz potencial risco de estragos;

Fenômeno provoca transtornos por conta dos fortes ventos que podem ultrapassar os 100 km/h em algumas regiões do Estado


Por Catanduvas Online

16/05/2022 17:34



img


O ciclone subtropical que se aproxima de Santa Catarina neste início de semana é intenso e com características incomuns. O fenômeno traz risco potencial de estragos por conta dos fortes ventos que podem ultrapassar os 100 km/h em algumas regiões.

 

De acordo com o meteorologista Piter Scheuer, o ciclone subtropical teve fases de ciclone extratropical. Nesta época do ano, o ciclone mais comum de ocorrer é o extratropical por conta das frentes frias que atravessam a região.

 

No entanto, o ciclone extratropical se transformou em um ciclone subtropical, que pode vir ou não acompanhado de uma frente fria.

 

Segundo Scheuer, o ciclone extratropical, geralmente, tem mais energia e velocidade. Contudo, o ciclone subtropical em questão registra forte intensidade.

 

Scheuer explica que o fenômeno não deve avançar para algo mais do que um ciclone, como um furacão, por exemplo. “Furacão tropical gosta de águas aquecidas e é um sistema único, não tem frente fria associada”, diz.

 

Alerta ventos intensos

 

A Defesa Civil estadual alerta que a atuação do ciclone subtropical que se aproxima da costa do Sul do Brasil a partir desta terça-feira (17), vai provocar ventos intensos e persistentes, com rajadas de moderada e forte intensidade até a quinta-feira (19), especialmente entre o Meio-Oeste e o Litoral.

 

Entre a noite de terça e a manhã de quarta, os ventos se intensificam conforme o ciclone se aproxima do Estado. As rajadas podem atingir velocidades acima dos 100 km/h nos pontos mais altos da Serra, ficando em torno de 90 km/h no Litoral Sul, Grande Florianópolis e áreas próximas.

 

No Alto e Médio Vale do Itajaí chega aos 75 km/h e em torno dos 65 km/h no Oeste, Meio-Oeste e Planalto Norte.

 

De acordo com Piter Scheuer, no Cabo de Santa Marta, na região de Laguna e Jaguaruna, no Sul do Estado, as rajadas podem variar de 110 km/h a 120 km/h.

 

Os fortes ventos podem provocar transtornos como queda de energia, queda de árvores e destelhamentos, sobretudo, na quarta-feira (18).

 

A Defesa Civil estadual recomenda que se busque um local abrigado, longe de árvores, placas, postes de energia e de outros objetos que possam ser arremessados. Além disso, deve-se ficar distante das janelas.

 

O risco para ocorrências associadas aos ventos é baixo nas áreas em verde, moderado nas áreas em amarelo e alto, em laranja do mapa abaixo.

 

Confira o mapa: 

Ventos intensos – Foto: Defesa Civil de SC/Divulgação/NDVentos intensos – Foto: Defesa Civil de SC/Divulgação/ND

 


 ?>

 

Mar agitado e risco de ressaca

 

O ciclone subtropical favorece a condição de mar agitado a grosso e traz risco de ressaca ao Litoral catarinense. A condição ainda deve ser agravada pela combinação da maré de sizígia provocada pela lua cheia.

 

No Litoral Sul e na Grande Florianópolis, as ondas são de direção Sudeste/Sul com altura de 2 metros a 3 metros e picos de até 4 metros.

 

No Litoral Norte chegam a 1,5 metros com picos de 2,5 metros. O risco para ocorrências associadas à agitação marítima e ressaca é moderado nas áreas em amarelo e alto nas áreas em laranja do mapa abaixo.

 

A Defesa Civil orienta que se evite a navegação e a atividade de pesca; banhar-se no mar ou praticar esportes náuticos; caminhar ou pedalar na orla, caso as ondas estejam atingindo a ciclovia.

 

Assessoria- ND