Câmara pede por ações para controle da população de cães e gatos e ajuda para ONG

As ações conforme a lei existente devem ser de caráter permanente


Por Catanduvas Online

28/07/2020 15:35



img


Imagem meramente ilustrativa 

 

Os nove vereadores da Câmara de Vereadores de Catanduvas se juntaram e fizeram um pedido de providência na noite de segunda-feira (27) para que a Administração Municipal, por meio da Secretaria Municipal da Saúde, através da Vigilância em Saúde Municipal, execute as disposições contidas na Lei Municipal n. 2511 de 17 de setembro de 2015 que aprovou projeto de desenvolvimento de ações a fim de controlar as populações de cães e gatos, bem como a prevenção e controle das zoonoses que conta com o apoio da ONG de proteção aos animais do município.

 

As ações conforme a lei são de caráter permanente e o Município hoje não dispõe dos serviços, deixando ao desamparo o trabalho louvável exercido de forma voluntária pelos membros da ONG.

 

“Quem acompanha sabe da luta que fazemos por melhores condições de auxílio do trabalho da ONG. Essa cobrança é feita com frequência desde o início do mandato. Temos uma lei de 2015 que estabelece a obrigatoriedade por parte do Município para que seja feita a castração dos animais. No ano de 2019, através de uma Emenda do Deputado Pedro Uczai, esse trabalho foi feito. Foram 400 castrações realizadas, se eu não me engano. Porém, quando se excedeu o valor estabelecido na licitação, o serviço simplesmente parou”, explicou o vereador André Atz (Deco).

 

“Também destinei no ano passado, através das emendas impositivas, 15 mil para a ONG e gostaria que a Administração repassasse esse valor para eles, pois sabemos da importância do trabalho deles e das dívidas que eles fazem para poder ajudar os animais de ruas. É um caso de saúde pública”, falou a vereadora Monalisa Ruaro.

 


MEPITA ?>

 

“Tivemos uma reunião com o veterinário hoje e quando saímos da Câmara fomos, juntamente com o vereador Marcelo e a vereadora Claire, até a Administração e colocamos essa situação. Conversamos mais detalhadamente e tivemos o retorno de que a Saúde precisa justificar essa despesa. Eles vão precisar de dados, números, projeção, do que é que vai ser feito. O Poder Público precisa justificar o que é que vai ser feito e com certeza eles vão disponibilizar o recurso”, explicou a vereadora Ângela de Morais da Cruz.

 

Assessoria