Bebê que ingeriu soda cáustica passa por cirurgia inédita em Jaraguá do Sul

procedimento foi bem sucedido e o paciente de 1 ano e 7 meses já se recupera em casa


Por Catanduvas Online

25/06/2020 16:00



img


O Hospital e Maternidade Jaraguá, referência em atendimento pediátrico na região Norte de Santa Catarina, realizou um procedimento endoscópico infantil (dilatação esofágica) inédito para Jaraguá do Sul.

 

Foi em uma criança que ingeriu, acidentalmente, soda cáustica. A intervenção, realizada no último dia 12, é considerada delicada, mas o paciente de apenas 1 ano e 7 meses se recupera em casa.

 


 ?>

 

De acordo com a gastroenterologista pediátrica Angélica Luciana Nau, que há dois meses acompanha o caso, a família confirmou que a criança está bem e já se alimenta melhor.

 

A médica observa que a dilatação esofágica é um procedimento considerado de risco, pois podem surgir complicações durante o processo, como a perfuração do esôfago do paciente.

 

A médica conta que todo o processo foi planejado com antecedência. “Há dois meses a criança ingeriu o produto acidentalmente e, desde aquela época, a equipe vinha planejando o procedimento e conversando sobre os passos do tratamento com a família”.

 

Entre preparar o paciente, anestesiar e concluir o processo, a operação durou 30 minutos. A médica responsável pela endoscopia e a dilatação esofágica, contou com o apoio de anestesista, radiologista, técnico em radiologia e enfermeiras. Os residentes em pediatria, do HMJ, também acompanharam o procedimento.

 

“Na tentativa de cicatrizar e curar a queimadura que a soda cáustica causa na mucosa do esôfago, o corpo faz uma estenose, que é o estreitamento da luz do órgão. Com isso, acaba ocorrendo uma dificuldade alimentar ao paciente. Para tentar reverter esse quadro, foi preciso dilatar e aumentar a luz do órgão com materiais específicos para que a criança possa voltar a se alimentar bem e não tenha risco nutricional no futuro”, explica Nau.

 

A criança recebeu alta no dia seguinte ao procedimento, mas o tratamento deve continuar por um longo período. Inicialmente, a previsão é que o paciente realize outras dilatações de esôfago no intervalo de algumas semanas. “Conforme for melhorando e conseguindo se alimentar melhor, poderemos espaçar mais, mas o tratamento costuma ser prolongado”, complementa a médica.

 

Fonte/ND+